domingo, 3 de abril de 2016

Dicas Gerais sobre o Japão (Parte 2)

Veja aqui: Dicas Gerais sobre o Japão (Parte 1).

Continuando a lista com algumas dicas de coisas que observei no Japão durante as semanas que passei por lá!

Vai um Unagi?


Separe o lixo

Essa dica obviamente vale pra qualquer lugar, mas é algo bastante forte por lá (é lei!). Todos os lugares que passamos tinham lixeiras específicas para cada tipo de lixo. O mínimo, em casas e hotéis por exemplo, é separar o lixo orgânico do reciclável. 

Um dos motivos para ter esse cuidado tão grande é que o Japão, sendo um país de densidade demográfica muito alta (muitas pessoas numa área pequena), precisa ser também eficiente em controlar a geração de lixo.   

Um caso que aconteceu conosco: na pousada que ficamos em Quioto, as lixeiras estavam marcadas apenas em japonês. Ficamos na dúvida de qual era qual e acabamos misturando os lixos. No dia seguinte colocaram placas em inglês e nos pediram pra separar certinho! Portanto, preste bastante atenção as placas e sinais!

Poucas lixeiras na rua

Apesar do que foi dito acima, existem poucas lixeiras pelas ruas! Isso não significa, óbvio, que alguém joga lixo no chão. Mas sempre que precisei, tive de guardar na mochila até encontrar uma lixeira para jogar as coisas fora. Algumas vezes, depois de muito tempo!

O mais importante então é estar preparado: levar uma sacolinha para recolher os lixos que forem gerados ao longo dos passeios e jogar fora assim que encontrar uma lixeira. 

As máquinas de venda de bebida sempre tem uma lixeira ao lado!

Respeite as filas para entrar no metrô 

É comum ver marcações nos chão das estações indicando aonde as portas do trem ficarão. Por questão de organização, as pessoas fazem as filas aos lados das portas, para permitir que quem esteja saindo consiga passar mais rápido e agilizar o fluxo. Não respeitar a fila e ainda tentar entrar pelo meio, além de atrapalhar, também é mal visto.

Em geral, preste bastante atenção em todas as filas!

Atenção à diferença de fuso horário

Entre o horário de São Paulo e o de Tóquio, a diferença é de 12 horas (podendo variar dependendo da época do ano). Isso tem um impacto grande nos primeiros dias e durante a duração da viagem como um todo.

Nos primeiros dias, o mais normal é acordar muito cedo. Por volta de 4 da manhã, era comum a gente levantar e, como já estávamos sem sono, nos arrumarmos pra sair. A parte ruim é que o cansaço batia super cedo, e também era comum irmos dormir lá pelas 18h. O mais importante em viagens assim é contar com esse efeito do "jet lag" e fazer planos mais leves nos primeiros dias.

Além disso, durante a viagem toda, o fuso atrapalha bastante a parte de comunicação com o Brasil. Quando acordamos, já é noite e todos estão indo dormir. Quando termina o dia por lá, as pessoas ainda estão acordando. A sensação é que "nada aconteceu" durante o dia todo!

Verão é muito quente

Essa dica é importante para quem planeja ir no período do verão do hemisfério norte (entre julho e setembro): essa temporada é muito quente por lá! Alguns dias ficavam facilmente acima do 35°C, com um sol de rachar! Como grande parte dos passeios envolve andar pela cidade, visitando templos ou lugares abertos, é importante levar protetor solar e se manter sempre hidratado. As máquinas de venda de bebidas (da foto acima) estão espalhadas pela cidade inteira e sempre tem uma água, suco, refrigerante ou chá bem gelados!

Belo dia de sol no Palácio Imperial de Tóquio

Continua no próximo e último post da série!